Código Morse – o “zero” e “um” humano.




Criado como meio de comunicação binário, é o único a ser facilmente compreendido por humanos.


          O código Morse foi criado em 1835 pelo criador do telegrafo elétrico, Samuel Morse, a fim de completar o seu invento. Consiste basicamente em pulsos curtos e longos, onde cada cadeia de pulsos seria equivalente a uma letra. No telegrafo, empregam se pulsos de corrente elétrica, mas o código é tão versátil que pôde ser empregado de outras formas, como luminosa, sonora e até mecânica.

Tabela internacional do código Morse.


Traços, espaços e pontos.

Devido a simplicidade do código pode ser empregado largamente nos períodos iniciais da tecnologia das telecomunicações. Tanto que foi criado um padrão internacional.
Os elementos são o traço curto (dit), o traço longo (dah) e o espaço. Espaços curtos determinam o espaçamento das letras, espaço médio entre palavras e longo entre frases. De posse da tabela, é do formular a mensagem a ser transmitida.


Mas tudo passa...

          Já superado as limitações de telecomunicação e tecnologia, hoje quase não é mais empregado pois existem códigos melhores e mais eficientes para comunicação e transmissão de dados, mas vale ressaltar que o Morse é o único código de padrão internacional que pode ser empregado sem o uso de computadores para se entender.

Fonte: Wikipédia e outras.
Comenta aí pode ser? ()